Livros

Brincadeiras criativas para o seu filho. Christopher Clouder e Janni Nicol. PubliFolha.

Brincar para crescer. Tali Field Berman e Abby Rappaport.

Descobrindo crianças. Violet Oaklander. Editora Summus. As crianças falam de si mesmas destacando suas posições mediante a experiência do conhecimento. A autora desenvolve um sério estudo sobre o crescimento infantil empregando métodos altamente originais e flexíveis. Um livro para todos que trabalham com crianças e buscam uma nova visão para entender e abordar o mundo infantil numa relação de afeto e respeito.

Nascido em um dia azul. Daniel Tammet. Editora Intrínseca. Autor relembra sua confusa e dolorosa infância, quando se sentia isolado e limitado pela incapacidade social que marca pessoas como ele : um portador da síndrome de savant e da síndrome de Asperger. Crianças com esses distúrbios têm dificuldades de relacionamento, de compreender frases ou piadas de duplo sentido, de captar nuances emocionais do comportamento humano, ou de dirigir automóveis.

Nunca lhe prometi um jardim de rosas. Hannah Green. Editora Imago. Livro fala sobre a experiência de uma adolescente que aos 16 anos é internada em um hospital psiquiátrico, onde fica por três anos. Deborah, esta adolescente psicótica nos leva a vivenciar seu mundo rico, conflitante e apaixonante.

O estranho caso do cachorro morto. Mark Haddon. Editora Record. Christopher Jonh Francis Boone, 15 anos, um menino que sofre de síndrome de Asperger, que é uma forma de autismo, é o personagem principal da trama deste livro. Um gênio em matemática que adora verdades absolutas e detesta contato físico com outras pessoas e com dificuldades de se relacionar com os outros, que é acusado de assassinato. A vítima: Wellington, o cachorro do vizinho. Por causa disso, Christopher passa uma noite na cadeia e decide descobrir quem matou o animal inspirando-se em Sherlock Holmes.

Olhe nos meus olhos. John Elder Robison. Editora Larousse. Tocante narrativa e bem-humorada de alguém que cresceu com a Síndrome de Asperger numa época em que esse diagnóstico não existia. Desde criança, John Robison tinha dificuldades em relacionar-se com outras pessoas. Na adolescência, os problemas se agravaram e apenas aos 40 anos Robison foi diagnosticado, por um atento terapeuta: era portador de uma forma de autismo chamada síndrome de Asperger. Essa súbita compreensão transformou a maneira como Robison se via – e como via o mundo.

Sinto-me só. Karl Taro Greenfeld. Editora Planeta. Livro de memórias. Em suas páginas, a história de um menino, hoje o reconhecido jornalista Karl Taro Greenfeld, ao lado de seu irmão autista é delicadamente exposta pela primeira vez. Greenfeld fala, com honestidade, sobre como foi crescer à sombra de seu irmão autista, revelando a complexa mistura de raiva, confusão e amor que definiu sua infância.

Um antropólogo em Marte. Oliver Saks. Editora Cia das Letras. O que têm em comum o pintor que, aos 65 anos, passa a enxergar o mundo em preto e branco; o massagista que, cego desde a mais tenra infância, recupera a visão após passar por uma cirurgia; e a mulher autista que não consegue entender os sentimentos humanos, mas se torna uma especialista em comportamento animal? Para o neurologista Oliver Sacks, esses não são apenas casos clínicos extraordinários – antes de mais nada, eles dizem respeito a indivíduos cujas vidas podem nos ajudar a compreender melhor o que somos.

Uma menina estranha. Temple Grandin. Editora Cia das Letras. Nesta obra,  Temple, uma criança autista muito inteligente, nos conta como é ser autista. Nos auxilia na compreensão de sua visão de mundo, quais seus medos e a melhor maneira de auxiliá-la.